Este blog tem por finalidade promover a discussão, troca de experiências e suporte para os professores de Geografia da Rede Municipal de São Vicente e demais interessados.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Biodigestores

Biodigestor anaeróbico é um equipamento usado para a produção de biogás, uma mistura de gases – principalmente metano - produzida por bactérias que digerem matéria orgânica em condições anaeróbicas (isto é, em ausência de oxigênio). Um biodigestor nada mais é que um reator químico em que as reações químicas têm origem biológica.

Aplicações:
  • O AIDG (Appropriate Infrastructure Development Group), através da educação e do desenvolvimento de negócios, promove o uso de tecnologias sustentáveis que melhoram a qualidade de vida em países em desenvolvimento. O grupo tem identificados diversas tecnologias sustentáveis que podem ser feitas localmente, com “eco-engenherios” locais. Uma das tecnologias que o AIDG está promovendo na Guatemala é o uso de Biodigestores.
    Os biodigestores fazem uso da energia que está naturalmente presente nos resíduos gerados por animais e lixo doméstico. Quando esses produtos se degradam, eles geram metano, um poderos gás que pode ser aproveitado para a geração de energia. Os biodigestores capturam o metano antes que ele se torne um problema e o armazena para posterior aproveitamento, como o uso em aquecimento de ambientes ou como gás de cozinha.
    Desta forma, os biodigestores podem ser um substituto sustentável ao propano, ao querosene e à madeira. Para aquelas famílias que necessitam comprar seu combustível, o digestor pode significar uma economia de centenas de dólares todo ano. Além disso, o biodigestor é também uma fonte de fertilizante orgânico de alta qualidade. Bactérias causadoras de doenças, como a E. Coli, são mortas dentro do digestor.
    A introdução desta tecnologia simples reduz o impacto sobre as florestas naturais, produz fertilizante gratuito de ótima qualidade, reduz mortes de recém-nascidos devido a E. Coli, melhora a saúde e ainda economiza dinheiro.

  • É muito usado em lugares que possuem grande quantidade de matéria orgânica, como esterco de animais, lixo orgânico ou dejetos humanos. A China possuía, na década de 70, mais de 7 milhões em funcionamento. Hoje são muitos mais, e dão uma grande contribuição para o saneamento daquele país, e na produção de alimentos e de energia.
    O seu uso gera inúmeras vantagens econômicas e ambientais, não só como tratamento seguro de esgoto, mas também na produção de biogás, que pode ser usado para iluminar ou cozinhar. Além disso, se adequadamente tratado, resulta em um efluente que pode ser usado como fertilizante líquido de grande valor orgânico.
    O Instituto Ambiental e a EcoFocus desenvolvem e implantam conjuntamente projetos de Biodigestores, unindo a vasta experiência daquele no desenvolvimento desses sistema no Brasil e no mundo, e conhecimento desta em soluções ambientais integradas.


    O vídeo abaixo apresenta a aplicação dos biodigestores no Brasil, foi retirado do programa Cidade e Soluções do canal GloboNews.
    video

segunda-feira, 5 de julho de 2010

"A cartografia dos deslocamentos da família para o trabalho".

Uma abordagem significativa dos meios de transporte pode começar pelo estudo dos deslocamentos familiares. Neste plano de aula, destaca-se o tema a cartografia dos deslocamentos para o trabalho. Esse trabalho que envolve essencialmente sala de aula e levantamento de informações com familiares, pode ser feito no segundo bimestre, quando os alunos já estão mais integrados e a rotina de estudo está mais organizada.

Objetivos
- Desenvolver a leitura espacial, por meio da linguagem cartográfica.
- Utilizar os procedimentos de leitura e escrita de textos e mapas como forma de registro dos estudos em Geografia.
- Refletir e questionar fatos estudados em Geografia.
- Buscar e organizar informações em textos, tabelas e representações gráficas.

Material necessário
- Mapas e guias de rua;
- Cartolina;
- Papel almaço para rascunho;
- Lápis colorido;
- Papel transparente para croqui;
- Atlas Geográfico.

Desenvolvimento
Parte 1 - Apresentando o assunto.
Organize a turma em uma roda de conversa questionando-os sobre os deslocamentos do dia-a-dia em sua familia. Quais são as rotinas da familia num dia de semana, no final de semana, em dias de chuva, em dias normais.

Reúna os alunos em grupos e oriente-os para que troquem informações sobre as profissões de seus pais ou adultos com quem convivem e sobre os caminhos e meios de transporte que utilizam para o trabalho. Peça para que um aluno de cada grupo faça o registro escrito das informações, anotando o tipo de transporte (se de ônibus, bicicleta, automóvel ou a pé), os horários de saída e de chegada em casa, a estimativa das distâncias percorridas etc.

Peça que cada grupo exponha oralmente para a classe uma síntese da conversa. Durante a apresentação, procure comentar sobre o papel dos meios de transporte na vida das pessoas: necessidades e problemas que temos em nossos deslocamentos cotidianos.

Parte 2 - Vivência com guias e mapas.
Solicite aos alunos que tragam guias de ruas para serem manuseados em sala de aula (ou disponibilize para eles). Este material pode ser encontrado em bibliotecas, listas telefônicas ou bancas de jornais. Outra opção é produzir na classe um croqui com os nomes de ruas do bairro.

Solicite que os alunos organizados em grupos observem como os mapas estão organizados e simule um trajeto para contextualizar a observação do material.

Com um mapa de ruas da cidade e um roteiro de entrevista, cada aluno irá entrevistar seus familiares sobre os meios de transporte e seu deslocamento para o trabalho. Eles deverão registrar o deslocamento no mapa e, se possível, também em papel transparente, para que possam apresentar para o restante da classe. Podem usar em seus mapas e croquis a legenda de linhas e cores diferentes para identificar o trajeto de cada membro da família. A produção de mapas dos deslocamentos cotidianos pode ser muito útil para problematizar identificar e explicar como são os diferentes tipos de transporte no espaço urbano, tais como automóvel, metro, ônibus, caminhões, até um simples elevador.

Em sala de aula, os mapeamentos devem ser expostos em forma de painéis. Retome os questionamentos propostos na primeira conversa, ampliando as questões de forma a levar os aluno a refletirem sobre o tipo de transporte mais utilizado pelos familiares da turma: as distâncias percorridas; a eficiência dos meios de transporte; a localização dos diferentes tipos de trabalho e os locais de moradia.

Cada aluno deve escrever um texto pessoal com as suas conclusões sobre o papel dos meios de transportes na vida das pessoas: importância e problemas. Algumas produções devem ser lidas para a turma.

Sugestões para a continuidade do trabalho
Com base nessas primeiras atividades, defina junto com os alunos um caminho para novos estudos sobre deslocamentos. Veja alguns temas que podem ser abordados em seguida:

- A importância e o significado das malhas e o sistema viário das cidades. .
- Transportes coletivos no bairro ou na cidade: problemas e soluções.
- Os diferentes deslocamentos nos dias de trabalho e nos finais de semana.
- A Sobreposição de mapas e síntese de deslocamentos de uma família e o planejamento dos deslocamentos.
- Os transportes coletivos e as mudanças na paisagem urbana.
- A estrutura viária da cidade (rodoviárias, aeroportos, ferrovias...).
- Os Deslocamentos na história familiar: do lugar onde nasci para o lugar onde vivo hoje. Produção de mapas de deslocamentos históricos da família.
- Pesquisa da trajetória dos alimentos que são vendidos na feira ou no supermercado.

Avaliação
Propor uma avaliação por instrumentos diversificados, na qual se observe o desempenho do aluno em atividades coletivas e individuais, tais como produção de textos sobre o tema, produção visual de croquis e mapas de deslocamento, pesquisa e organização das informações. Além disso, preste atenção em aspectos como a cooperação no trabalho em grupo, a performance na apresentação oral e a capacidade de discutir um assunto e defender uma idéia.


Atividade extraída e adaptada do site da Revista Nova Escola.

Os desafios do Pré-Sal

O que é a camada pré-sal?

O pré-sal é uma camada de petróleo localizada em grandes profundidades, sob as águas oceânicas, abaixo de uma espessa camada de sal. No final de 2007, foi encontrada uma extensa reserva de petróleo e gás natural nessa camada, em uma faixa que se estende por 800km entre o Espírito Santo e Santa Catarina. Ainda não existem números concretos sobre quanto óleo realmente existe na região, mas a ministra Dilma Roussef chegou a afirmar que, com a exploração do pré-sal, o Brasil poderia se tornar exportador de petróleo. Já René Rodrigues, professor da Faculdade de Geologia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), não é tão otimista, mas admite que há um grande potencial de exploração. "Só há estimativas, mas acredito que, pelo que já se sabe, as reservas brasileiras de petróleo devem ao menos duplicar", afirma. Com tanta empolgação, o governo Lula elabora novas regras para a exploração do petróleo no pré-sal.

O professor René Rodrigues explica que o petróleo do pré-sal só foi encontrado agora porque os esforços estavam concentrados em explorar a camada pós-sal, menos profunda e portanto mais acessível e barata. Porém, mesmo o petróleo acumulado acima da espessa camada de sal também tem origem no pré-sal. "O petróleo pode se formar no pré-sal e ficar preso. Em alguns casos, o sal escorrega e abre passagem para o óleo, que se acumula nas rochas do pós-sal. É o que acontece na Bacia de Campos (RJ), por exemplo", explica. Quando esse petróleo encontrado no pós-sal começou a escassear é que se iniciaram as prospecções na camada pré-sal. Apesar da origem comum, o petróleo que continua confinado e é extraído diretamente do pré-sal tem vantagens em relação ao encontrado a pequenas profundidades. No pós-sal, o óleo pode ser atacado por bactérias, que podem estragá-lo. Essas bactérias consomem a parte leve do petróleo, mais nobre e a partir da qual se extraem a gasolina e o diesel. "No pré-sal, como a profundidade é maior, o óleo fica a uma temperatura acima de 80ºC, o que o esteriliza e preserva sua qualidade", conta René Rodrigues. O especialista ainda explica que, apesar de custar pelo menos o dobro do preço para construir poços que perfurem a grandes profundidades, o óleo retirado dessa camada tem um valor maior no mercado.

Perfurações exigem alta tecnologia e conhecimento do ambiente.
Conheça através do infográfico abaixo como se organiza a estrutura para a exploração do pré-sal.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Oficina sobre a Copa do Mundo

"COPA DO MUNDO 2010 - TODOS PELA ÁFRICA"

JUSTIFICATIVA
O futebol é uma das práticas culturais (esportivas) mais difundidas em âmbito nacional que necessita ser alvo de estudos científicos, na medida em que revela uma rede intrincada de significações. O futebol quando competitivo (profissional) visa à extração de um campeão e, conseqüentemente, rotula vencedores e perdedores. Quando inserido no contexto escolar, possui características específicas, sendo também permeadas por tensões, competições, exclusões, inclusões, etc.
O futebol é uma das maiores paixões do povo brasileiro. Neste período de Copa do Mundo devemos aproveitar esse acontecimento, para enriquecer e dar mais sentido às aulas, conhecer e saber um pouco mais sobre a África do Sul trabalhando também os temas transversais: Pluralidade Cultural, Meio Ambiente, Saúde, Trabalho e Consumo.


OBJETIVOS GERAIS
A oficina visa a um trabalho interdisciplinar, pois eventos desse tipo são excelentes temas motivadores para desenvolver os conhecimentos e as competências curriculares, considerando o enorme espaço que o futebol assumiu na nossa cultura. Assim, entendemos como necessário:
• Trabalhar as várias etnias e culturas, procurando valorizá-las e respeitá-las.
• Identificar e compreender que um evento como a Copa do Mundo promove a união dos povos, desperta a paixão das nações, aflora o patriotismo, serve como grande oportunidade para intensificar o potencial econômico que envolve o futebol e oportuniza o conhecimento de aspectos físicos, culturais, econômicos e sociais dos países envolvidos.


OBJETIVOS DE GEOGRAFIA
• Compreender a dinâmica cultural da Copa do Mundo, assim como a diversidade étnica que envolve em particular a África do Sul anfitriã da Copa do Mundo de 2010;
• Analisar e compreender o processo que transformou esse esporte em "paixão nacional";
• Identificar e analisar a Copa como instrumento de informação, pois dá sentido ao mapa-múndi e a muitos conceitos, fatos e conhecimentos geográficos. (Temos como alguns exemplos: Ninguém havia ouvido falar na República dos Camarões antes de os "leões africanos" aparecem no cenário futebolístico, no Mundial de 1990; Ter no mesmo campo inimigos políticos em 1998 como os jogadores de Irã e Estados Unidos que trocaram flores no gramado);
• Problematizar a dinâmica do mundo globalizado e do sistema capitalista que envolve a Copa do Mundo (a quantidade de marcas de patrocínio estampadas nos estádios e nas roupas dos jogadores nos ajuda a ver que não é só o futebol que está em jogo, mas o comércio de produtos, os atletas estão inseridos num sistema econômico que vê tudo como mercadoria).


OBJETIVOS DE HISTÓRIA
• Abordar a retrospectiva das Copas;
• Compreender as noções de patriotismo e nacionalismo assim como, refletir acerca do patriotismo que surge na época da Copa, questionando por que ele não se mantém vivo em outros momentos;
• Identificar momentos históricos que contextualizavam as Copas do Mundo, assim como personagens históricos que se destacaram nos anos de mundiais.


ESTRATÉGIA
• Ambientação da sala com o tema da Copa do Mundo;
• Acolhimento aos alunos;
• Dinâmica para integração do grupo;
• Atividades lúdicas para formulação de conceitos;
• Apresentação de vídeos e clipes para contextualizar a Copa da África e abordar a história das Copas;
• Dinâmica de Grupo para desenvolver questões referentes à Geografia e História;
• Debates e discussões a respeito da dinâmica capitalista que se insere no contexto de uma Copa do Mundo;
• Apresentação dos resultados do debate em forma de encenação;
• Uso da sala de informática para trabalhar com o mapa da África, com uma poesia e algumas imagens referentes à temática da Copa do Mundo.


DESENVOLVIMENTO
• Iniciaremos a oficina com a recepção dos alunos na sala ambientada em clima de Copa do Mundo. Logo na entrada, os alunos receberão pequenos círculos feitos de papel de cores variadas (serão quatro cores) simbolizando uma bola de futebol, essas “bolas” serão utilizadas na primeira atividade a ser realizada na oficina. Pois servirão como instrumento de divisão dos grupos para a atividade.

• Separados em grupos os alunos irão assistir um breve vídeo que contempla a mobilização criada pela Copa do Mundo nas nações despertando os sentimentos patrióticos e nacionalistas (o vídeo apresentado foi retirato do youtube - "Brahma - Guerreiros Copa 2010). Após a apresentação do vídeo, serão distribuídas aos alunos pequenas réplicas de camisetas feitas em papel cartão branco, onde em grupo os alunos redefinirão o uniforme da seleção brasileira de futebol utilizando as cores da bandeira. Junto ao uniforme uma frase de apoio e incentivo deverá ser criada. Os grupos então afixarão suas camisetas e frases em um painel e justificarão a confecção do uniforme e a frase. Durante as explanações, interferências serão realizadas pelos professores a fim de formar com os alunos os conceitos de patriotismo e nacionalismo e a importância desta prática para o crescimento da nação.

• Logo a seguir, os alunos serão convidados a prestigiar um vídeo que aborda a História das Copas, com imagens marcantes e fatos curiosos (retirado do site brasil.gov.br), que despertará o interesse dos alunos a conhecer um pouco da Geografia e História das 32 seleções que participam da Copa do Mundo de 2010. Aguçados com o vídeo e novamente nos grupos, os alunos irão participar de uma outra atividade. A atividade apresentará um quadro de cortiça dividido em 8 partes em alusão aos grupos da Copa de 2010. Em cada parte estarão 4 informações (podendo ser imagens ou informações históricas e/ou geográficas). Nos grupos estarão espalhadas as bandeiras das seleções que disputam o mundial e no verso das bandeiras uma dica estará colada, sendo assim os grupos deverão relacionar as informações com as dicas e desta forma afixarão as bandeiras nos espaços formando os grupos que fazem parte da Copa do Mundo da África.

• Após a atividade citada acima, e ainda nos grupos, irão analisar uma apresentação de power point onde o intuito é tratar do contexto sócio-econômico, onde a Copa do Mundo se insere dentro de uma perspectiva de mundo globalizado em que o sistema capitalista e a aplicação mercadológica versa mais alto. A proposta ao final do power point é seduzir os alunos a elaborarem estratégias para vender bolas de futebol, porém essas bolas que serão distribuídas pelos grupos não são idênticas e possuem materiais e significância dispare. Os grupos terão um tempo para desenvolver estratégias para venda do produto, assim como definir o público alvo e uma generosa justificativa para a escolha. Diante das apresentações realizadas, haverá um debate acerca dos resultados e a construção da idéia de que os sonhos e realidades que acercam os 32 países da Copa são distintos, resultantes de seu desenvolvimento econômico e de sua inserção no cenário político e que a Copa une as nações contemplando as diferenças deixando em segundo plano conflitos, classificações econômicas e sociais.
Para finalizar essa atividade será exibido uma propaganda do Banco Itaú retirada do youtube - "Itaú - ponto de vista", que apresenta a mensagem em que as diferenças sejam elas quais forem são suprimidas pela união dos povos em torno do futebol.

• Terminada as atividades realizadas na sala de multimeios, os alunos serão encaminhados à sala de informática onde desenvolverão 2 atividades nos computadores. Na primeira atividade os alunos irão acessar um programa disponibilizado no site Revista Escola no qual em um mapa interativo da África eles navegarão em busca de informações a respeito do continente que recebe a Copa. A segunda atividade se trata de uma poesia sobre a Copa (anexo 1) que será apresentada aos alunos e terá a letra disponível no word em cada computador. Com a letra da poesia e algumas imagens pré-selecionadas, os alunos, fazendo-se valer da criatividade e espírito crítico, organizarão uma montagem com imagens que deverá fazer alusão a alguns trechos da poesia.

• Obs.: durante as atividades realizadas pelos alunos músicas referentes a temática da Copa serão reproduzidas para auxiliar na ambientação da oficina.


MATERIAL / RECURSOS
1. Aparelho de som;
2. Datashow;
3. Computador;
4. Vídeos sobre a copa;
5. Cartolinas (azul, verde, amarela e branca);
6. Fita dupla face;
7. Quadro de cortiça;
8. Réplicas de camisetas em papel cartão para colorir;
9. Lápis de cor;
10. Bandeiras das seleções em cartolinas encapadas com papel contact;
11. Letras e videoclipes de músicas com referências à Copa e/ou futebol;
12. Bolas de futebol feitas com diferentes materiais.


AVALIAÇÃO
A avaliação é contínua, observando-se o desenvolvimento cognitivo do aluno, sua participação e o resultado final de suas atividades.


Projeto interdisciplinar apresentado e desenvolvido no Cescon nas áreas de Geografia e História pelos professores Ieda Maria Galvão dos Santos e Lucas Luiz Lamosa.

ANEXO

1.
Ópio do Povo
A bola está rolando,
O povo está sendo enrolado!
E o trabalhador,
Pobre coitado,
Desempregado,
Gasta o sal do almoço
Para comprar a televisão,
Em prestações adiadas,
(Depois da copa)
a juros exorbitantes
Pra que calcular?
Que nada,
Nem saberia nestes instantes!
Quer viver de ilusão!
Matar a fome dos sonhos
Matar os filhos de fome
E esquecer a inflação!
O governo satisfeito,
Aproveita da situação!
Gasta com shows de artifício
Não mede qualquer sacrifício
Para alimentar este vício
E apagar da memória de todos,
A farra
Do mensalão!